Desenvolvemos, unimos e aprimoramos o que há de mais moderno em métodos, ferramentas e técnicas de engenharia e gestão para levar sua empresa ao sucesso.

Ferramentas que Usamos para Inovar

Nossa Caixa de Ferramentas é composta por mais de 100 ferramentas de projeto, planejamento e controle, gestão, financeiras, criatividade, pesquisa e desenvolvimento. Dependo do tipo de solução que sua empresa necessite, das características e singularidades do projeto, iremos selecionar as ferramentas de inovação que irão agilizar e garantir a entrega de resultados de sucesso para você.


Ferramenta

FBS

FBS | Function Behavior Structure é uma ferramenta inovadora para projetar em detalhes: o que faz? como faz? e como é? o produto , atendendo, assim, totalmente às funcionalidades desejadas e necessárias para o produto.

Com uma abordagem diferente, esse modelo trata função, comportamento e estrutura como conceitos individuais e os interliga a um relacionamento causal, ou uma rede de dependência. Deste modo, a partir de uma dada função, torna-se possível encontrar seu comportamento esperado e sua estrutura, e este seria um caminho FBS.

Todavia, cabe observar que uma função pode não estar associada somente a um único comportamento, podendo corresponder a muitos deles. Similarmente, comportamento pode ser derivado de mais de uma estrutura. Todas essas possíveis variações se enquadram nos vários tipos existentes de caminhos FBS.

Além dessas diferenças, as soluções de projetos irão variar de domínios de aplicação. Porém, Qian e Gero (1996) afirmam que, embora haja essa diferenciação, o modo pelo qual a estrutura ou subestruturas atingem as metas de projeto ou função por meio do comportamento, pode ser classificado da mesma forma, independente do domínio do projeto. Deste modo, independente dessas questões, as funções podem ser realizadas por quatro tipos de caminhos generalizados FBS ou tipos de FBS, sendo eles:

Onde:

Os caminhos FBS tipo I e II são considerados como meios de atender a funções primitivas (qualquer função que está diretamente associada com um conjunto de comportamento. Uma função muito abstrata deve ser decomposta em diversas outras funções primitivas específicas), pois cada função é associada a uma variável comportamental.

 

Entretanto, em muitos projetos, uma função depende de mais de uma variável de comportamento. O conjunto de variáveis pode ser composto em paralelo (FBS tipo III), em seqüência (FBS tipo IV) ou ambos.

Sendo assim, pode-se resumir os conceitos de estrutura, comportamento e função da seguinte forma:

  • Estrutura = o que é;
  • Comportamento = como faz;
  • Função = o que faz; e,
  • Propósito = por que faz ou para que.

A Figura abaixo, adaptada de Rosenman e Gero (1996), mostra o relacionamento entre esses conceitos e comenta alguns pontos essenciais relacionados a eles.

Após analisar essas informações, chega-se a conclusão de que, para modelar completamente um produto, não basta somente descrever suas funções. Há que se atentar, também, para o comportamento esperado para tal, bem como para sua estrutura. Deste modo, seguir esse raciocínio auxiliará a modelagem de um produto, principalmente se o projeto visa o desenvolvimento de um produto inovador.

QIAN, L. E GERO, J.S. Function-Behaviour-Structure Paths and Their Role in Analogy-Based Design. AIEDAM, v.10, n.4, p.289-312, set. 1996.

ROSENMAN, M.A.; GERO J.S. The Role of Functional Reasoning in Design. Technical Report, Key Centre of Design Computing, Department of Architectural and Design Science, University of Sidney, 1996.



Entre em Contato