Desenvolvemos, unimos e aprimoramos o que há de mais moderno em métodos, ferramentas e técnicas de engenharia e gestão para levar sua empresa ao sucesso.

Ferramentas que Usamos para Inovar

Nossa Caixa de Ferramentas é composta por mais de 100 ferramentas de projeto, planejamento e controle, gestão, financeiras, criatividade, pesquisa e desenvolvimento. Dependo do tipo de solução que sua empresa necessite, das características e singularidades do projeto, iremos selecionar as ferramentas de inovação que irão agilizar e garantir a entrega de resultados de sucesso para você.


Ferramenta

Árvore Função-Meios

A árvore função-meios é uma ferramenta prática de projeto de produto que foca na associação entre funções do produto e soluções, estruturada segundo sua hierarquia de funcionamento.

Essa ferramenta foi inicialmente publicada por Hubka em 1967. Pode ser compreendida como a existência de relações causais na hierarquia de efeitos (funções), as quais contribuem para a realização da função global proposta para o artefato mecânico, sendo estas relações determinadas por órgãos (os meios), que realizam os efeitos (HANSEN E ANDREASEN, 2002). A Figura abaixo apresenta os passos descritos por Svendsen e Hansen (1993 apud HANSEN E ANDREASEN, 2002) para o processo de elaboração da árvore F/M.



A árvore função-meios pode ser modelada como uma estrutura de árvore: exemplificada na Figura abaixo. Seu princípio é um arranjo hierárquico de níveis de funções e níveis de meios, conectados por linhas que correspondem a relações causais entre funções e meios.



Figura - Os níveis mais elevados da árvore função-meios para uma secadora.
Fonte: Hansen (1997 apud HANSEN e ANDREASEN, 2002).


As abordagens de modelagem funcional que visam projetos de inovação sugerem que às funções só devem ser associados princípios de solução depois de finalizar o desdobramento funcional. Já a árvore função-meios difere neste ponto, pois indica que as funções só devem ser desdobradas num nível mais inferior após a indicação do meio (princípio de solução) a ser utilizado para atendimento daquela função. Provavelmente usar uma abordagem como essa em projetos não levará ao encontro de inovações. Porém, essas indicações podem ser usadas quando o nível de abstração estiver muito elevado no desdobramento funcional, deste modo, a identificação de um possível meio pode clarificar alguma função ainda não identificada para o produto.

HANSEN, Claus Thorp; ANDREASEN, Mogens Myrup. Two approaches to synthesis based on the Domain Theory. In: Chakrabarti, Amaresh. Engineering Design Synthesis: Understanding, Approaches and Tools. 1. ed. Londres: Springer, 2002. p.93-108.



Entre em Contato